Não há como falar sobre transformação digital sem mencionar as tecnologias da Indústria 4.0. Na verdade, esse conceito faz parte de muitos aspectos de nossas vidas, desde nossos smartphones do dia a dia, passando pelo display de acrílico e suas facilitações, até chegarmos na inteligência artificial.

Portanto, neste artigo, você entenderá mais a fundo o que significa este termo e como suas mudanças impactam os processos produtivos. Quer saber mais? Então, vem com a gente!

O que é a Indústria 4.0?

Quando pensamos na Revolução Industrial, a primeira coisa que vem à mente são as máquinas a vapor ou aquele arcaico conserto de portão automático. No entanto, tal processo tem mudado ao longo dos séculos, com inovações cada vez mais rápidas.

Agora, estamos com produções exclusivamente digitais, além de robôs e uma corrida por dados que, definitivamente, fazem parte da nossa realidade.

Tudo isso traz desafios completamente novos na relação homem x máquinas, com uma produção mais independente e ágil, baseada em dados e informações. O resultado são empresas mais eficientes, processos otimizados e redução de desperdícios e erros.

Recursos e mudanças proporcionadas pela Indústria 4.0?

As tecnologias da Indústria 4.0, sejam elas referentes ao nicho de conserto de bomba ou de automação, permitem uma série de mudanças na produtividade das empresas e suas principais características, em suma, são:

  • Customização massificada: a nova indústria permite uma produção mais flexível e novos recursos de customização.
  • Manutenção preditiva: atualmente, temos um acompanhamento em tempo real de dispositivos, máquinas e dados. Isso faz com que os problemas sejam detectados e os monitoramentos sejam mais precisos.
  • Inteligência Artificial: São softwares capazes de ‘imitar’ as habilidades humanas para tomar decisões e resolver problemas.
  • Computação em nuvem: faz com que os dados sejam armazenados em uma nuvem, ou seja, um ambiente online. Lá dentro, os recursos podem ser acessados ​​e gerenciados por meio de uma conexão com a internet. Isso ajuda a otimizar os custos de estrutura e armazenamento, além de permitir o gerenciamento remoto.
  • Segurança cibernética: dá mais proteção contra roubo e danos de hardware, software ou dados eletrônicos, garantindo mais segurança às empresas.
  • Realidade aumentada: esta interação das informações virtuais com o ambiente real por meio de câmeras, telas e GPS que fazem simulações 3D do processo para que os problemas sejam detectados com antecedência é algo que parece ficção científica.
  • IoT (Internet das Coisas): É a possibilidade de conectar objetos físicos à internet ou utilizar carros automáticos ou monitoramento de processos em tempo real nas empresas.
  • Fabricação aditiva: resumidamente, estas são as impressoras em 3D, que adicionam material para fabricar objetos usando uma montagem ascendente. Entre as muitas outras vantagens, esse processo reduz o desperdício de material.
  • Robôs colaborativos: dispositivos projetados para auxiliar as pessoas em seu trabalho, integrando trabalho humano e automação.
  • Biologia sintética: outro item da lista que parece ter saído dos filmes. Permite o redesenho de sistemas biológicos e a criação de células, circuitos genéticos, enzimas e assim por diante. Muito utilizado na medicina.
  • Big data e análises: estamos na era dos dados. Portanto, a coleta, armazenamento e análise são essenciais para a tomada de decisões.

Gostou deste conteúdo? Então, não se esqueça de compartilhar a publicação com seus amigos e familiares!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *